• +55 (18) 3117-1195
  • +55 (18) 98136-0521
  • zanardo@zanardo.com.br
  • Segunda à sexta, das 7h30 às 11h30 e das 13h00 às 17h48
Data: 24/07/2020
Imagem: sergign, de envatoelements Imagem: sergign, de envatoelements

O Instituto Internacional de Finanças (IIF) divulgou uma atualização sobre seu modelo de "valor justo" para as principais moedas globais. Na lista atual, Equador (23,5%), Egito (15,9%), Argentina (13,5%), Turquia (9,5%) e Ucrânia (7,0%) estão entre as divisas mais sobrevalorizadas, ou seja, acima do que seria o valor justo e, assim, mais propensas a uma correção para baixo.

"Na maioria dos casos, a taxa de câmbio real subiu excessivamente, então uma depreciação nominal da moeda é necessária para trazer as coisas de volta para um equilíbrio. A exceção é a Turquia, onde estímulos creditícios provocaram um forte aumento no déficit em conta corrente, então uma depreciação nominal é necessária para diminuir esse desequilíbrio externo", diz o IIF.

O instituto ressalta que prever taxas de câmbio é muito difícil e que existem muitas variáveis, então seu modelos apontam para riscos elevados de depreciação nesses casos, não um resultado definitivo ou pré-determinado.
Já no caso do Brasil, o real está subvalorizado em 8,8% em relação ao que seria o valor justo, ou seja, teria espaço para subir. "No caso do Brasil, nossa última atualização apontava uma subvalorização de 15%. Desde então, o câmbio subiu 7%, então o real agora está cerca de 8% subvalorizado".

Entre as moedas mais subvalorizadas, estão a coroa sueca (13,9%), peso chileno (10,5%), franco suíço (10,4%), won sul-coreano (9,9%) e o real brasileiro.
O modelo do IIF considera a taxa de câmbio real, ou seja, baseada nas ponderações de comércio externo, e leva em conta também os resultados de conta corrente e diferencial de inflação.

fonte: Udop, com informações do Valor Investe (escrita por Álvaro Campos)

  • Telefone:
    +55 (18) 3117-1195

  • Rua dos Buritis, 201 - Parque Industrial II Araçatuba - CEP 16012-170 / São Paulo