• +55 (18) 3117-1195
  • +55 (18) 98121-4926
  • zanardo@zanardo.com.br
  • Segunda à sexta, das 7h30 às 11h30 e das 13h00 às 17h48
Data: 12/07/2021

O bitcoin despencou mais de 10% nesta segunda-feira (21), depois que a China ampliou a repressão da mineração de criptomoedas, ao proibir esta atividade em uma província do sudoeste do país.

O preço do bitcoin caiu para US$ 32.309, depois de ter batido um recorde próximo de US$ 65.000 em abril passado, com os investidores citando pouca liquidez e a expansão da repressão da China.

A criptomoeda é obtida pelo processo chamado de "mineração" que envolve muitos cálculos feitos em computadores, para verificar as transações, e também muito consumo de energia.

A mineração na China alimenta quase 80% do comércio mundial de criptomoedas, apesar da proibição desde 2017 de fazer comércio com elas no país e do encerramento desta atividade em várias províncias.

Na semana passada, autoridades da província de Sichuan ordenaram o fechamento de 26 minas, conforme aviso divulgado nas redes sociais e confirmado por um ex-minerador de bitcoin.

O aviso determina que as companhias elétricas deixem de fornecer energia para todas as minas de criptomoeda até domingo. A província de Sichuan é uma das maiores bases de mineração do país

"Fecharam tudo" nos últimos dias, disse um ex-minerador de criptomoedas à AFP.

"Grupos de trabalho vieram para comprovar (...) e ter certeza de que encerramos as operações e retiramos as máquinas", completou.

Segundo o jornal estatal "Global Times", o fechamento das minas da província pôs fim a mais de 90% da capacidade de mineração de bitcoins do país.

O banco central da China disse nesta segunda-feira que recentemente convocou alguns bancos e instituições de pagamento, pedindo-lhes que reprimam mais duramente o comércio de criptomoedas, segundo a agência Reuters.

"O comércio especulativo em moedas virtuais turva a ordem econômica e financeira, gera os riscos de atividades criminosas, como transferências ilegais de ativos e lavagem de dinheiro, e põe em perigo a riqueza das pessoas", disse o banco central chinês em comunicado.

  • Telefone:
    +55 (18) 3117-1195

  • Rua dos Buritis, 201 - Parque Industrial II Araçatuba - CEP 16012-170 / São Paulo