• +55 (18) 3117-1195
  • +55 (18) 98121-4926
  • zanardo@zanardo.com.br
  • Segunda à sexta, das 7h30 às 11h30 e das 13h00 às 17h48
Data: 08/03/2021
Imagem: LightFieldStudios, de envatoelements Imagem: LightFieldStudios, de envatoelements

A FecomercioSP defende que o último crescimento significativo do PIB brasileiro aconteceu em 2013, com um salto de 3%. Desde então, houve uma sequência de estagnação, quedas e retomadas tímidas – com crescimento de 0,5% em 2014; encolhimento de 3,5% e 3,3% em 2015 e 2016, respectivamente; e singelos aumentos em 2017 (1,3%), 2018 (1,1%) e 2019 (1,1%).

“Diante desses números, é possível dizer que o País só vai retomar o patamar do começo da década passada em 2023 – isso se daqui até lá sustentar um crescimento de, pelo menos, 2% ao ano”, afirmou a entidade em nota oficial.

Para a FecomercioSP, o cenário de recuperação em 2023 pode não se viabilizar devido à nova queda no consumo das famílias, dado o cenário de crise com o pior momento da pandemia no País. “Além disso, há ainda as dúvidas de longo prazo sobre a capacidade do governo federal em implantar uma política de austeridade fiscal cortando despesas”, declarou a federação.

Segundo a entidade, ainda que o PIB cresça entre 3% e 3,5% em 2021, estará mais relacionado à queda de 4,1% em 2020 do que a um sinal de recuperação da economia de fato. “Em outras palavras, se nada der errado daqui para frente, o Brasil só voltará ao patamar de 2013 exatamente dez anos depois. É, portanto, a verdadeira década perdida.”

Para a FecomercioSP, uma ” verdadeira reforma do Estado” auxiliaria a recuperação econômica brasileira. “Diminuindo tributos, acelerando investimentos e contendo a alta da inflação por meio de uma política de juros baixos”, a entidade vê um caminho para um melhor cenário nos próximos anos.

fonte: IstoÉ Dinheiro, com informações do Estadão Conteúdo

  • Telefone:
    +55 (18) 3117-1195

  • Rua dos Buritis, 201 - Parque Industrial II Araçatuba - CEP 16012-170 / São Paulo