• +55 (18) 3117-1195
  • +55 (18) 98136-0281
  • zanardo@zanardo.com.br
  • Segunda à sexta, das 7h30 às 11h30 e das 13h00 às 17h48
Data: 04/02/2022
 Por stevanovicigor Por stevanovicigor

Segundo deputada autora do texto, preços atuais estão estimulando as vendas externas prejudicando o abastecimento doméstico.

Um projeto de lei em tramitação na Câmara dos Deputados prevê que as exportações de milho do Brasil tenham uma sobretaxa de 15% até 31 de dezembro deste ano. E permite ao governo federal que aumente ou diminua essa sobretaxa em até dez pontos percentuais durante a vigência da lei, o que poderia elevar a tarifa para até 25% ou reduzi-la para até 5%.

O texto é de autoria da deputada Soraya Manato (PSL-ES). Segundo ela, a alta nos preços do cereal têm levado a uma preferência pelas exportações, o que, em sua visão, prejudicaria o abastecimento do mercado domético.

“Em situações como a que ocorre no momento, no caso do milho, de desabastecimento em decorrência de exportações excessivas, torna-se justificável a cobrança do Imposto de Exportação, para regular o mercado do produto, de forma a propiciar o correto atendimento do mercado interno”, argumenta a parlamentar, na justificativa do projeto.

Na proposta, Soraya Manato destaca que países como a Argentina e a Rússia têm adotado a cobrança de imposto de exportação para controlar a inflação local e garantir o abastecimento dos mercados internos.

No ano passado, o Brasil exportou 34,4 milhões de toneladas de milho, de acordo com o sistema Agrostat, do Ministério da Agricultura. A receita com essas vendas externas foi de US$ 5,78 bilhões.

Fonte: Revista Globo Rural

Fonte: Portalr2s.com.br

  • Telefone:
    +55 (18) 3117-1195

  • Rua dos Buritis, 201 - Parque Industrial II Araçatuba - CEP 16012-170 / São Paulo