• +55 (18) 3117-1195
  • +55 (18) 98136-0281
  • zanardo@zanardo.com.br
  • Segunda à sexta, das 7h30 às 11h30 e das 13h00 às 17h48
Data: 04/02/2022
 Por UrosPoteko Por UrosPoteko

No Brasil, prêmios continuam subindo em plena colheita, mas ainda assim interesse vendedor segue tímido, o que ajuda a dar ainda mais suporte aos preços. Oferta que não chegará da América do Sul terá de ser compensada pelos EUA.

Entrevista com Ginaldo de Sousa – Diretor Geral do Grupo Labhoro sobre o Fechamento de Mercado da Soja

O mercado da soja voltou a subir nesta quarta-feira (26) na Bolsa de Chicago e encerrou o dia com altas de mais de 30 pontos nas posições mais negociadas, se acomodando em patamares bem acima dos US$ 14,00 por bushel. O março ficou nos US$ 14,40, enquanto o julho foi a US$ 14,50 por bushel no fechamento do pregão.

Como explicou Ginaldo Sousa, diretor geral do Grupo Labhoro, notícias melhores vindas das relações entre Rússia e Ucrânia – que deixaram o financeiro menos arisco – as perdas da América do Sul e uma manutenção da taxa de juros nos EUA anunciada pelo Federal Reserve – o que manteve os fundos ainda com posições importantes entre as commodities agrícolas – foram fatores que se alinharam e serviram como combustível para os ganhos na CBOT.

Sousa afirma também que os traders seguirão muito atentos à conclusão da safra sul-americana, em especial do Rio Grande do Sul – que ainda é uma grande incógnita – e qual será o real tamanho das perdas. A avaliação do especialista é de uma safra, até agora, de 134 milhões de toneladas.

No paralelo, o mercado também se atenta à necessidade que haverá desta oferta de soja que não chegará da América do Sul de ser compensada por produto norte-americano, o que pode ser mais um fator de alta para as cotações da oleaginosa em Chicago.

“Os preços são voláteis e vão continuar voláteis (…) O mercado tem que entender que todo grão que deixar de ser embarcado pelo Brasil por conta da quebra terá que ser suprido pelos americanos, e isso é positivo para o mercado”, diz.

O analista explica ainda que diante do atual quadro, no Brasil, os prêmios também seguem registrando boas altas – com destaque para a referência abril que somente de terça para quarta-feira teve uma alta de 16 cents, passando de 64 para 80 centavos de dólar por bushel sobre Chicago – diante desse temor sobre a escassez da oleaginosa.

“Não há aquela quantidade de soja que estava no programa. Muitas empresas que tinham vendido soja para janeiro e fevereiro estão correndo atrás do mercado e o produtor, por sua vez, não está vendendo. Aqui acontece isso e, nos EUA, o americano cruza os braços para esperar o que vai acontecer”, explica Ginaldo Sousa.

Fonte: Noticias Agrícolas

Fonte: Portalr2s.com.br

  • Telefone:
    +55 (18) 3117-1195

  • Rua dos Buritis, 201 - Parque Industrial II Araçatuba - CEP 16012-170 / São Paulo