• +55 (18) 3117-1195
  • +55 (18) 98136-0281
  • zanardo@zanardo.com.br
  • Segunda à sexta, das 7h30 às 11h30 e das 13h00 às 17h48
Data: 25/05/2022
de envatoelements de envatoelements

Em relação a março deste ano, queda foi de 8,2%; preço médio foi para US$ 381,60/t

 O volume de açúcar brasileiro exportado continua em queda – e, desta vez, os preços apresentaram a mesma movimentação.

Em abril, as usinas despacharam 1,31 milhão de toneladas do adoçante, volume 8,2% menor do que o visto em março, de 1,43 milhão de toneladas. O montante também ficou 26,2% abaixo do total enviado em abril do ano passado.
Já o valor médio do adoçante foi de US$ 381,60 por tonelada, 1,9% abaixo do preço praticado em março. Apesar de ter se mantido em um patamar mais elevado do que o visto em outros anos, esta é a primeira queda na remuneração pela commodity desde novembro.

O volume de açúcar brasileiro exportado continua em queda – e, desta vez, os preços apresentaram a mesma movimentação.
Em abril, as usinas despacharam 1,31 milhão de toneladas do adoçante, volume 8,2% menor do que o visto em março, de 1,43 milhão de toneladas. O montante também ficou 26,2% abaixo do total enviado em abril do ano passado.
Já o valor médio do adoçante foi de US$ 381,60 por tonelada, 1,9% abaixo do preço praticado em março. Apesar de ter se mantido em um patamar mais elevado do que o visto em outros anos, esta é a primeira queda na remuneração pela commodity desde novembro.

 

Considerando o preço médio de abril do ano passado, por exemplo, o valor atual por tonelada está 15,9% mais alto.

 

Com a diminuição do volume exportado e o atual patamar de preços, o faturamento mensal com o adoçante caiu 9,9% ante março e 14,5% na comparação anual, chegando a US$ 503,21 milhões.

 

Os dados detalhados deste mercado foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex), do Ministério da Economia.

 

Do total exportado, 1,18 milhão de toneladas foram de açúcar bruto, uma queda de 6,5% ante março; na comparação anual, o volume caiu 17,8%. O preço médio também teve um decréscimo de 2,5% entre os dois últimos meses, para US$ 375,10/t. Ainda assim, o valor representa um aumento de 15,6% ante abril de 2021.

 

O restante do volume, 138 mil toneladas, foi do adoçante refinado, o que representou 21% a menos do montante enviado em março. A queda foi ainda mais brusca na comparação anual, chegando a 60,7%. Já o preço médio ficou em US$ 437,35/t, um crescimento de 4,3% ante o mês passado e de 25,1% em relação aos valores negociados um ano antes.

 

Os principais destinos do açúcar brasileiro em abril foram: Marrocos (169,52 mi t); Bangladesh (153,64 mi t); China (142,50 mi t); Georgia (116,78 mi t); e Nigéria (105,87 mi t).

 

Somando os envios feitos desde o começo do ano, o Brasil já exportou 5,81 milhões de toneladas de açúcar, registrando uma queda de 23,2% em comparação com o quadrimestre de 2021, quando foram enviadas 7,57 milhões de toneladas.

 

No período, o preço médio foi de US$ 385,63/t (+20,6%), gerando uma receita de US$ 2,24 bilhões (-7,4%).

 

Fonte: novacana

  • Telefone:
    +55 (18) 3117-1195

  • Rua dos Buritis, 201 - Parque Industrial II Araçatuba - CEP 16012-170 / São Paulo